O ninho tucano na Paraíba iniciou uma movimentação para tentar pressionar o ex-prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSD) a encarar a disputa pelo Governo da Paraíba, nas eleições de 2022 e assim tentar elidir qualquer possibilidade de aliança do ex-gestor campinense com o governador João Azevêdo (Cidadania).

De acordo com o presidente estadual do PSDB na Paraíba, Pedro Cunha Lima, o partido vai se reunir amanhã, terça-feira (26), com o ex-prefeito, em Brasília, justamente para dirimir as dúvidas sobre a movimentação da alianças e estancar a turbulência local.

“Nós conversamos com frequência, vamos nos encontrar mais uma vez para podermos tratar de todas essas especulações, toda essa turbulência que a gente vem acompanhando no debate local e dá sequência a nossa caminhada. O PSDB da Paraíba continua fortalecendo e querendo ver Romero governador”, avisou.

A atitude do diretório em antecipar uma decisão tem uma motivação. O PSDB aposta todas as suas fichas no nome de Romero e por isso não trabalha com a tese de um eventual plano B em caso de desistência do aliado.

“Não trabalho com essa hipótese (de recuo de Romero), eu trabalho com a hipótese de Romero governador. Lá atrás eu estava trabalhando na possibilidade de lançar uma candidatura, mas nós recuamos desse cenário justamente para mostrar unidade. Então tudo que traga qualquer sentimento de divisão é algo que a gente precisa evitar. A oposição da Paraíba tem um nome, na visão do PSDB, que é Romero”, disse.

Pedro ainda lembrou do evento realizado pelo partido, ainda no mês de julho, a mais de um ano das eleições, para firmar sua postura.

“O ex-prefeito Romero é o nosso candidato a governador do Estado. O PSDB há algum tempo se reuniu para marcar uma posição política e recuar de uma candidatura que buscávamos construir no nosso partido para fortalecer o nome de Romero pelo que ele representa, pela gestão que ele realizou em CG. Romero é alguém pode dizer com muita clareza e tranquilidade que é bom de serviço, que é bom de mostrar resultado, é bom de realizar. Já existe um sentimento em CG de querer ver Romero governador, não por outra razão, mas pelo resultado que ele apresentou administrativamente. Nosso desafio é fazer com que esse sentimento se espalhe pela Paraíba, que as pessoas possam o conhecer mais de perto a gestão que Romero desempenhou. Não só pelo nosso histórico de amizade, pelo nosso histórico de caminhada em conjunto da vida pública, mas pela capacidade administrativa que ele tem que o PSDB mantém essa posição de querer vê-lo governador”, emendou.

No atual cenário, caso dispute o mandato e perca a disputa, Romero poderá ficar até seis anos sem mandato, já que não deverá encarar uma disputa em 2024 contra a reeleição de Bruno Cunha Lima (PSD). Enquanto isso, Pedro poderá disputar a reeleição para deputado federal em 2022 e o ex-vice-prefeito Ronaldinho Cunha Lima (PSDB) também terá o caminho livre para encarar uma vaga na Assembleia Legislativa da Paraíba.

PB Agora